Brasília, leia-se deputados, senadores, executivo, legislativo e judiciário, produzem, todo dia um buraco nas finanças do país. Vitória também tem seus buracos caros, alem dos tres poderes o da Ilha do Príncipe é o mais caro. O buraco mais caro de Vitória esta na Ilha do Principe, fronteira com Vila Rubim.

O tal mergulhão, túnel ou passagem subterrânea esta para ser  terminado a um bom tempo.

As desapropriações para faze-lo já aconteceram e algumas foram até contestadas na justiça. Ali parado e impávido o buraco consome um dos recursos mais preciosos dos capixabas: o tempo.

Sugerimos em administração pública anterior, a criação de uma entrada alternativa para os ônibus na Rodoviária assim, as quase 800 viagens diarias, salvo engano na conta, ao invés de, na chegada da segunda ponte, se dirigirem, para manobrar, até a Vila Rubim, fazendo um tortuoso trageto de mais de 1 kilometro e meio,  entrariam direto para a Rodoviaria, evitando o consumo de combustível e a contribuição para os engarrafamentos.

Parece que falei muito baixo, empresas de ônibus, concessionário da Rodoviária, Prefeitura e Detran, solenemente ignoraram.

Até entendo, não foi idéia de nenhum deles então.... não é boa idéia.

Infelizmente, na maioria da vezes, a administração da coisa pública funciona assim mas, fica OUTRA VEZ, a sugestão.

Voltemos ao buraco... comparado ao gasto já realizado com desapropriações, a conclusão parece-me bem mais em conta só que... a administração pública é espasmódica, só trabalha com universos de 4 anos e se a obra ultrapassa isso, que dificuldade para começa-la.

Existe um pavor de não inaugura-la, de outro político colocar o nome na placa... então que se façam duas placas, uma da pedra fundamental e outra da inauguração.

Enquanto isso, o buraco vai consumindo, óleo, poluindo o ambiente, tempo e paciência  e a Ilha do Principe continua em decadência!

 

 

 

Free Joomla! template by Age Themes